Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
A RGBsys é uma empresa destinada ao desenvolvimento de software, tecnologia e consultoria. Prestamos serviços de forma diferenciada, com o foco na qualidade e atendimento personalizado ao cliente. Objetivos e Área de Atuação: - Sistema de WINFACT ERP - Sistema de Factoring, FIDCs e Cias. Securitizadoras. - Consultoria em factoring. - Consultoria em geral.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Segurança eletrônica para empresas de Factoring e FIDC - BACKUP


Em nosso mercado, o tema segurança sempre foi um dos mais abordados pelos empresários do ramo.

O grande interesse pelo assunto se dá, em boa parte, por ser um tema muito amplo, que envolve questões bem distintas, mas igualmente estratégicas. No quesito segurança, cada área tem sua importância. No Crédito, são de extrema relevância as medidas de segurança no processo de aprovação e liberação das operações de antecipação de recebíveis, a fim de minimizar o risco e combater as fraudes. Na área técnica, decisões sobre infraestrutura e política de backup garantem a segurança dos dados da empresa.

Acompanhando o dia a dia dos empresários, percebemos, de forma preocupante, que nem todos dão a devida importância à política de backup. Costumo dizer que na vida só não há solução para duas coisas: a morte e a ausência de backup. No fundo, é isso mesmo: a ausência de backup, numa situação crítica, pode representar a morte da empresa. É claro que esse descaso pelo seu próprio patrimônio se dá por parte de uma minoria, de uma forma até ingênua, mas perigosa.

Atuando no ramo há mais de 20 anos, já vivenciei algumas situações onde a ausência de backup, diante de uma situação crítica como, por exemplo, a interrupção do funcionamento de um servidor de dados, por conta de um disco danificado ou outro motivo qualquer, deixa todos os técnicos de mãos atadas no ato da restauração da normalidade. Num caso extremo, os dados são irrecuperáveis e perde-se todo o histórico da empresa.

Outra situação vivenciada em momento crítico, não foi a ausência de backup, mas a disponibilidade de um backup muito antigo e desatualizado. Ou seja, o empresário se certifica que o backup está sendo executado, mas não se preocupa com a conferência detalhada de data e hora de execução ao menos do último backup, assim como um olhar mais apurado para o tamanho (seria no mínimo estranho se de um dia para o outro o tamanho do arquivo de backup diminuísse, salvo casos em que há algum tipo de limpeza prévia de dados). Nesse caso, é possível restaurar o backup, mas perdem-se dias de trabalho para reinserir as informações desde a data do backup restaurado até a data presente.

A seleção de fornecedores que o auxiliarão na política de backup é fundamental para prover segurança para a sua empresa. A falta de tempo no dia a dia com foco em fazer negócios e a preocupação em buscar menores custos operacionais por vezes levam o empresário à escolha errada e a uma assessoria de segurança de baixa qualidade, com pouca preocupação com as questões de segurança mais sensíveis da empresa. É necessário dar mais atenção às questões críticas da empresa.

Algumas dicas para a política de backup:

  •         Definir quem serão os responsáveis (ao menos duas pessoas internas com cargo de confiança);
  •         Aprender os processos de backup manual e automático, com os responsáveis pela infraestrutura ou pelo sistema de gestão;
  •         Conferir a execução diariamente (no mínimo data, hora, tamanho do último backup);
  •         No mínimo uma vez por mês, restaurar o backup numa base de dados auxiliar;
  •           Se o servidor estiver localizado dentro da sua empresa, SEMPRE levar uma cópia do backup para fora da empresa (fisicamente, residência ou terceiros de confiança, ou copiar o backup para algum servidor na web);
  •           Se o seu sistema de gestão estiver rodando na “nuvem”, trazer uma cópia do backup para dentro da sua empresa;
  •            Nunca sobrescrever o backup, ou seja, guardar várias instâncias: último dia, dias anteriores, semana anterior, mês anterior, ano anterior;
  •            Documentar a política de backup.

Infelizmente, muitos só percebem a importância do backup quando se deparam com um problema de interrupção dos servidores que, eventualmente, de fato ocorre. As informações históricas são perdidas e com elas dinheiro, saúde, negócios, e dias com retrabalho.


Portanto, estabelecer uma política de backup e mantê-la documentada, auditada e acessível junto aos responsáveis é um trabalho contínuo e fundamental para a sobrevivência da sua empresa.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Oportunidades na Crise - Pesquisa com empresários de Factoring, FIDC e Securitizadoras

Em recente pesquisa realizada com clientes da RGBsys, empresários do ramo de Factoring, FIDC e Securitizadora, fizemos algumas perguntas sobre o panorama do nosso mercado em meio à crise, e sobre oportunidades nesse contexto, obtendo o resultado que detalhamos a seguir.

Nas respostas verificamos que há um consenso geral em relação a dois fatos. Por um lado, a retração do varejo com a consequente piora na saúde das empresas tem trazido um risco bem maior à operação, provocando cuidados redobrados. De outro, a redução dos bancos na oferta de crédito, com a imposição de mais restrições, tem aberto mais mercado para a atuação das Factorings, FIDCs e Securitizadoras, inclusive para atuação num perfil de clientes ao qual não tinha acesso anteriormente. Além da diminuição de crédito dos bancos consolidados, vemos também a saída de bancos menores do mercado. Com certeza essa é a principal oportunidade destacada pelos empresários.

Sobre o principal impacto nesse momento de crise, observamos a piora na liquidez e aumento de inadimplência e recuperaçoes judiciais.
Nesse cenário, o desafio de sempre é ainda maior: encontrar empresas com o nível de risco adequado aos níveis de taxas praticadas.

Um grupo menor de empresários também visualiza uma boa chance para a prestação de serviços de assessoramento e consultoria de clientes, e outro adota uma posição mais conservadora e protetora visando a manutenção da carteira ativa.

Há também uma linha de pensamento bem uniforme dos entrevistados, ao observar que as empresas de Factoring em crescimento fatalmente migram para o modelo FIDC, devido a um conjunto de fatores tais como a tributação, a captação de recursos e aumento em escala da carteira, assim como uma maior exigência do mercado em relação a qualificação.

Abordados sobre a "Operação Sacado" (Financiamento da Cadeia de Fornecedores, ou Âncora), é enxergado por todos com uma grande oportunidade, pois traz ganho em escala, risco "quase zero" e reduz custo operacional. No entanto, os desafios são predominantemente comerciais, pois a demanda para esse tipo de operação pelo sacado é de um público representado por um grupo de empresas muito restrito. 

Segundo os empresários, no geral o momento atual não provocou nenhum tipo de mudança em relação ao "leilão de taxas". O comportamento tem sido o mesmo de sempre.

E finalmente, questionados sobre alguma mudança na estratégia de cobrança de títulos em atraso, os entrevistados em sua maioria não mudaram o seu modus operandi, sendo que outros destacaram o incremento na cobrança por telefone ou e-mail, o contato com o sacado antes do vencimento do título, redução do prazo de protestos, e uma procura por mais diálogo visando uma cobrança conciliatória.

Concluímos, diante de todos os pontos detalhados acima, a partir das respostas dos empresários, que apesar do País como um todo estar atravessando um momento político econômico conturbado, sem prazo certo para o início de um novo ciclo, existe uma oportunidade real em meio à crise, em especial pela ampliação do mercado potencial de clientes deixado pelos bancos.


quarta-feira, 8 de julho de 2015

OPERAÇÃO SACADO (Financiamento da Cadeia de Fornecedores)



A Operação Sacado trata-se de uma operação de crédito que vem gradativamente ganhando mais destaque no mercado de antecipação de recebíveis.

É uma variação da operação tradicional que traz grandes oportunidades de negócios e uma série de benefícios que abordaremos a seguir.

Chamada historicamente de diversas formas, como Financiamento da Cadeia Produtiva, Financiamento da Cadeia de Fornecedores, Âncora, Factoring Reverso, dentre outros, a denominamos aqui, por simplicidade, de Operação Sacado.

O motivo principal dessa denominação se dá pelo fato de que em nosso mercado estamos extremamente familiarizados com os termos Cedente e Sacado.

A Operação Sacado consiste em financiar, através da antecipação de recebíveis, os fornecedores de um determinado Sacado.

Normalmente esse tipo de operação é bem sucedido quando envolve sacados com uma grande quantidade de fornecedores ou com conglomerados. Em muitos casos, o sacado é o principal cliente do cedente, o que o torna mais receptivo a essa operação.

É comum que sacados nesse perfil tenham grande poder de negociação junto a sua cadeia de fornecedores, comumente ditando as regras de compra a prazo. Com essa operação, o sacado ainda tem a oportunidade de ganho financeiro atuando em parceria com uma Factoring ou FIDC, além de auxiliar os fornecedores de forma ágil no processo de ajuste dos seus fluxos de caixas.

Comparações com a operação tradicional:

Ø  Comercial

Na antecipação tradicional, o relacionamento principal se dá com o Cedente, começando pela prospecção, visita, assinatura de contrato mãe, culminando no recebimento e execução das operações.

Na Operação Sacado, o relacionamento principal acontece com o Sacado, sendo ele o originador das operações e da própria clientela (fornecedores), o que dá grande escalabilidade para a operação.

Ø  Operacional

No Factoring ou FIDC tradicional, a carga de cada operação é executada pelo Cedente, individualmente, normalmente através de um site de relacionamento com os Cedentes.

Na Operação Sacado, a carga da operação é realizada a partir ​do ​contas a pagar do Sacado, e fica disponível num portal, após validações e críticas automáticas, para os fornecedores (Cedentes) solicitarem a cessão de forma rápida e simples.  Ou seja, ao invés dos Cedentes, um a um, darem cargas nas operações solicitadas, a carga é única e feita através do Sacado, após a qual os Cedentes (fornecedores do Sacado) terão rápido acesso aos pedidos de antecipação.

Ø  Custos e segurança

Na operação tradicional, o processo de confirmação de títulos é custoso, envolvendo pessoal e comunicações através de e-mail, correios e voz, sem falar no risco de fraude envolvido.

Na Operação Sacado, o contas a pagar baseia-se em títulos performados na maioria das vezes, e dado que a operação origina-se do próprio Sacado, não há necessidade de confirmação de títulos.

Um bom exemplo desse tipo de operação é o portal Progredir da Petrobrás. Óleo e gás, supermercados, atacadistas e confecções são exemplos de mercados aderentes à Operação Sacado.

Existe duas formas básicas da Factoring ou FIDC lucrarem com essa operação: como estruturadores e prestadores de serviços; ou como sócios e no caso de FIDC como cotistas subordinados. Fica claro que na última opção o envolvimento, o risco e a lucratividade são maiores.

Em resumo, para as empresas de Factoring e FIDC que tem condições de estabelecer relacionamentos com grandes Sacados, pelas vantagens apresentadas resumidamente acima, sem sombra de dúvida que configura uma grande oportunidade de negócios, sem grandes impactos operacionais, pelo contrário, com uma série de simplificações e ganho em escala.



Ricardo Gruber Bernstein é sócio fundador da empresa RGBsys Consultoria de Informática, desde 1994 especializada em soluções para área de recebíveis, e atua como Gestor Administrativo/Financeiro e Novos Negócios. Também gerencia projetos e presta consultoria nas áreas de atuação da RGBsys. Formado em Engenharia de Computação pela PUC-RJ-1993,  atua no ramo desde 1990.